Número 9, Ano II

Observatório do Setor
Atualizado em 9 de setembro de 2020

As oportunidades, investimentos e geração de riqueza em campos maduros e marginais serão destaque da 7ª edição do Diálogos da Rio Oil & Gas. O webinar ocorre no dia 19 de agosto, quarta-feira, às 18h. As inscrições são gratuitas e podem ser feitas aqui. Moderada por Antonio Guimarães, Secretário-Executivo de Exploração e Produção do IBP, […]

Número 8, Ano II

Observatório do Setor
Atualizado em 4 de agosto de 2020

Em 2019, a produção e o consumo norte-americano de gás natural seco alcançaram recordes de cerca de 960 e 880 bilhões m³, respectivamente. A produção aumentou consideravelmente na última década, impulsionada pela adoção de técnicas de fracking e perfuração horizontal no shale, tornando o país um exportador líquido desde 2017. Mais de 2/3 do consumo veio dos setores elétrico e industrial, representando 36% e 33% do total.

Número 7, Ano II

Observatório do Setor
Atualizado em 8 de julho de 2020

Maiores produtores mundias de gás natural em 2019

Observatório do Setor
Atualizado em 18 de junho de 2020
  O Brasil foi o 31º maior produtor de gás natural em 2019. EUA e Rússia são responsáveis por 40% da produção mundial.

Maiores produtores mundiais de petróleo em 2019

Observatório do Setor
Atualizado em 1 de julho de 2020
Em 2019, o Brasil manteve sua posição no ranking de produção de petróleo, sendo o 10º maior produtor de petróleo no mundo. Com o pré-sal e os recentes leilões, há o potencial do país se posicionar ainda melhor no ranking de maiores produtores mundiais. Para ampliar a produção, novos investimentos serão necessários.

Número 6, Ano II

Observatório do Setor
Atualizado em 15 de junho de 2020

A Arábia Saudita e outros produtores da OPEP consideram a extensão do atual corte de produção até o fim do ano, mas ainda precisam conquistar o apoio da Rússia. O corte acordado é de 9,7 milhões de barris por dia (b/d) em maio e junho, reduzindo para 7,7 milhões b/d nos 6 meses subsequentes.

Como consequência da pandemia, operadoras solicitaram a interrupção temporária de 36 campos, sendo 21 marítimos e 15 terrestres, quase todos (33) operados pela Petrobras.